Tel: (11) 5041-1759 / 5092-6041
Sengunda Feira, 11 de dezembro de 2017
 
 
   
03/02/2009
Herpes Labial e a Terapia Fotodinâmica
Envie este artigo Imprima este artigo

                    

 
Herpes Labial e a Terapia Fotodinâmica
 
 
O que é herpes labial?

O Herpes simples ou labial é uma doença infecciosa muito contagiosa, recorrente, geralmente benigna, causada por dois vírus da família dos Herpesviridae [Herpes simplex vírus 1 (HSV-1) e Herpes simplex vírus 2 (HSV-2)].
 
É característica destes vírus infectar algumas células causando lesão (com destruição da célula) como nos epitélios (células da pele e das mucosas) e outras de forma latente (sem atividade destrutiva) como em neurônios (células do sistema nervoso) de onde são reativados por fatores vários como exposição ao sol, febre, período menstrual, trauma mecânico, estresse, distúrbios gastrointestinais ou situações de redução da resistência física, voltando a infectar  as células sensíveis causando nova doença.
 
As lesões do Herpes aparecem clinicamente como vesículas que coalescem formando úlceras muito sensíveis e são mais severas e duradouras nos indivíduos infectados pelo HIV. O processo de reparação das lesões se completa em torno de 10 a 14 dias. Após a solução da infecção, o vírus retorna ao gânglio trigeminal e permanece latente, até que um dos agentes causais se faça presente e desencadeie nova infecção. Os intervalos das recaídas são de espaçamento variado, acredita-se que estes vírus permaneçam em nosso organismo por toda a vida.


Como se adquire?

A transmissão do vírus se faz preferentemente por contato direto pessoa – pessoa, mesmo que não haja lesão ativa. A infecção através de objetos pode existir, mas é menos comum. A saliva contaminada constitui um veículo eficiente para a transmissão do HSV-1, além do eventual contato com as secreções herpéticas em pessoas que apresentem clinicamente a doença. Em torno de 90% das pessoas tiveram ou terão contato com o HSV-1 e cerca de 20% com o HSV-2.


O que se sente?

Considerável parte das pessoas que estão transmitindo os vírus dos herpes não apresenta sintomas tanto nas doenças pelo HSV – 1 como no HSV-2, mesmo a primeira infecção pode transcorrer sem queixas. As pessoas que apresentam sintomas sistêmicos (sintomas além dos localizados) podem se queixar de mal estar, febre e desconforto ou queixas vagas de pequena intensidade. Nas localizações bem definidas as manifestações podem ser bem características.
Na maioria dos casos o HSV-1 provoca lesões ao redor da boca (herpes labial, gengivoestomatite, faringite herpética), o HSV-2 provoca lesões genitais (uretra, vulva, pênis, vagina, etc.).As infecções primárias pelo HSV-1 são doenças primariamente de crianças, as infecções pelo HSV-2 são transmitidas principalmente por contato sexual tendo predomidância entre os adultos.


- Gengivoestomatite. Febre alta, múltiplas feridas na boca, língua, faringe, intensa reação inflamatória da gengiva e aumento dos gânglios do pescoço. Nos adolescentes e crianças maiores predominam as úlceras faríngeas.

- Genital. Feridas penianas, vulvares, vaginais, perianais, com ou sem comprometimento uretral que Existindo pode ocasionar desconforto ao urinar. O diagnóstico de herpes genital em criança faz pensar em abuso sexual.

- Encefalite. Mesmo fora do período neonatal a reativação dos HSV-1 ou 2 pode causar lesões neurológicas importantes com quadro semelhante ao das outras infecções virais.

- Neonatal. Os casos de infecção neonatal podem ser adquiridos tanto por infecção ascendente durante a gravidez como por contaminação durante o parto. As doenças neonatais quando generalizadas são muito graves. É importante considerar a necessidade de realizar o nascimento por cesariana em todos os casos de herpes genital.


Como o profissional de saúde faz o diagnóstico?

Nos casos típicos é suficiente o exame clínico. Em situações especiais pode ser necessário a identificação do vírus ou ser bastante o exame citológico da lesão ou mesmo a comprovação laboratorial de outros órgãos atingidos.

Como se previne?

Evitar o contato com lesões evidentes. Identificar as causas que desencadeiam os surtos recorrentes para evitá-los incluindo a indicação de cesariana para mulheres com herpes genital. O uso de protetor solar reduz a incidência de herpes relacionado à exposição solar.
 
Como se trarta?
 
Não existe cura para o HSV-1, mas diversas alternativas para seu tratamento. A maioria dos pacientes são tratados com vidarabina ou aciclovir (Zovirax) em forma de comprimidos ou pomada. Vacinas estão sendo testadas para tratamento e prevenção do herpes simples, mas nenhuma comprovou ser totalmente eficaz.
 
Uma opção terapêutica que tem se mostrado promissora é a terapia fotodonâmica. A terapia fotodinâmica ou PDT (Photodynamic Therapy) consiste na associação de um agente fotossensibilizador mais uma fonte de luz específica (laser), na presença de um substrato, como por exemplo, o oxigênio, gerando espécies de vida curta e altamente reativas, como o oxigênio singleto que, em altas concentrações , são tóxicas, promovendo a morte de bactérias, fungos e vírus.
 

Odontologia Personalizada